Bastidores da batalha RECORD X GLOBO

TV Globo dá tiro no pé e abusa de arrogância com imprensa
O avanço da Record nos levantamentos do Ibope da Grande São Paulo obrigou a cúpula da Globo a pegar a ponte aérea. A desculpa era apresentar a nova programação de 2007, que não trouxe nenhuma novidade relevante, já que tudo foi vazado meses antes. O objetivo real era emitir o recado de que a Globo prestigia a imprensa paulistana que cobre o mundo da TV. O tiro saiu pela culatra.

Durante décadas, a Globo dominava as chamadas das revistas de TV. Hoje tem de dividir espaço para produções da concorrência, principalmente da Record. Isso incomoda a emissora carioca, pois indica uma quebra de tradição - abre um precedente perigoso para sua hegemonia. É aquela história: se fechar o olho, perde o jogo. E a Record está jogando pesado, e seu time de “obreiros” escalados para seduzir a mídia já começa a dar resultados.

Na semana passada, a equipe de divulgação da Record fez visitas pelas principais redações do país em São Paulo. É um relevante trabalho de relações públicas. Nos bastidores, a Record está indo atrás, demarcando território, conhecendo a engrenagem da notícia, identificando aliados, cavando espaços. Enquanto isso, a Globo não desce do salto alto, fica encastelada, repetindo velhos esquemas.

Na entrevista à imprensa paulistana desta terça-feira (3), ficou claro que a Globo terá de sambar para recuperar a simpatia dos formadores de opinião. Houve clima de arrogância, prepotência, frieza ou simples grosseria nos contatos. No refeitório do hotel, a equipe da Globo almoçava de um lado, os jornalistas, do outro lado. Era a imagem que resume as relações da maior emissora do país com a imprensa.

Os bastidores da “guerra santa” Já a Record investe na simpatia interesseira e também copia as estratégias da Globo ao promover suas atrações. No mês passado, a Record convidou jornalistas de São Paulo para uma entrevista no Rio com o elenco de Luz do Sol, sua nova novela. Na hora da apresentação dos atores, Hiran Silveira, diretor-geral de teledramaturgia da Record, pediu que o elenco aplaudisse os jornalistas convidados.

Na sala do hotel escolhido para a entrevista, os atores já esperavam pelos repórteres - um caso raro. Como era o Dia Internacional das Mulheres, a Record distribuiu rosas vermelhas para as jornalistas. São esses detalhes que revelam os bastidores da “guerra santa” entre a católica Globo e a evangélica Record.

Há uma briga de foice por espaços, mas a Globo ainda evita tornar isso público - tanto que nem verbaliza direito o nome da concorrente paulistana (o “canal C”, como se refere a Globo, já que nos levantamentos de dez capitais o SBT ainda aparece na frente da Record). Mas, segundo relatório do Ibope Telereport, a Record aumentou em 18% sua audiência na Grande São Paulo nos três primeiros meses deste ano. Enquanto isso, a Globo perdeu 6%.

A emissora carioca continua líder absoluta e incontestável (tem 19,9 pontos no primeiro trimestre de 2007, enquanto a Record ficou com 6,8). Ainda assim, o slogan “A caminho da liderança” da emissora da Igreja Universal perde, aos poucos, o verniz de provocação megalomaníaca.

Alvo óbvio “A palavra liderança está sendo mal usada”, replicou no evento desta terça-feira Anco Saraiva, diretor da Central Globo de Marketing. Em mais de duas horas de exposição, o nome da emissora da Barra Funda não foi sequer citado. Contudo, em algumas declarações, o alvo era óbvio - não precisava ser citado.

O diretor-geral da Globo, Octávio Florisbal, chegou a dizer que a Globo vai investir mais no seu banco de artistas, “que vem sendo assediado pela concorrência”. Funcionários e ex-funcionários da Globo, como Toni Garrido, Eduardo Lago e Patrícia Travassos, fecharam acordo contrato com a Record no último mês.

Walter Zagari, vice-presidente comercial da emissora paulista, já afirmou que até 2009 a Record estará com ibope maior do que a Globo. Previsão ou mera provocação, a Globo não quer pagar para ver - e já se movimenta. Quem vai vencer essa guerra? As verbas da publicidade pública vão ajudar a responder.

Fonte: Gospel Mais!

VERDADES SOBRE O DÍZIMO !!

Volta e meia tem acontecido nos mais diversos meios de comunicação uma série de abordagens acerca da prática do dízimo, algumas coerentes outras tendenciosas, enfim, a verdade é que este tema tem sido objeto de muitas discussões .Baseado nesta realidade queremos apresentar neste texto uma abordagem clara, prática e concisa acerca do tema, não vamos fazer abordagens etimológicas ou históricas, somente uma abordagem bíblica pastoral buscando um entendimento acerca do assunto.

Em primeiro lugar precisamos compreender que o dízimo é acima de tudo uma questão de gratidão. O primeiro texto bíblico que relata a entrega do dízimo foi o de Gênesis 14:20, neste texto Abraão entrega ao sacerdote Melquisedeque a décima parte de tudo o que tinha conquistado fruto da vitória sobrenatural contra quatro reis que tinham seqüestrado seu sobrinho Ló e família, de uma forma sobrenatural Deus permitiu que Abraão com apenas trezentos e dezoito homens vencesse aqueles quatro exércitos, salvasse seus familiares e ainda adquirisse ali vários bens. Veja que Abraão entregou o dízimo porque reconhecia o favor de Deus sobre a sua vida, reconhecia que sem uma intervenção sobrenatural ele nunca teria alcançado êxito em sua trajetória, Abraão então entrega o dízimo de livre e espontânea vontade fruto do reconhecimento dos benefícios que o Senhor tinha plantado sobre a sua vida.

Bem, como o ato de dizimar é uma atitude de gratidão que passa pelas mãos de representantes de Deus, no caso de Abraão Melquisedeque, no nosso caso a igreja de Jesus em suas mais diversas expressões, é possível que algum tipo de erro possa acontecer na aplicação destes recursos, se bem que se houverem erros representam uma minoria inexpressiva, porém, um possível erro de aplicação não invalida a necessidade de demonstrarmos atitudes de gratidão a Deus por tantos benefícios que Ele nos tem dado.

Outro fato importante é que o dízimo é uma questão de justiça. Deus é um Deus de justiça, um salmista chega a afirmar : “ Justiça e direito são o fundamento do teu trono; graça e verdade te precedem.” Salmos 89:14. É justo que alguém que recebeu o amor e a graça de Deus através da Igreja oportunize outros a também receberem, é obvio que para que outros possam receber é necessário que as instituições e seus ministros estejam de pé, vigorosas na doutrina e nas finanças. Se estivermos gratos pelo que Deus fez por nós através do Cristo pregado pela Igreja precisamos amá-la e como fruto deste amor praticar o dízimo.

Existem diversos outros fundamentos que poderíamos citar aqui, porém, o que queremos deixar claro é que não deixaremos de pregar as verdades bíblicas por causa de nenhum episódio, minha bíblia continua falando de um Deus que salva, transforma, liberta, dá sentido a vida do ser humano, cuida dos órfãos e das viúvas e nos ensina a gratidão através do dízimo. Cremos em toda a bíblia e continuaremos a pregá-la com toda a força da nossa existência independente das circunstâncias. Um episódio confuso não pode apagar da memória de nosso povo o que milhares de homens de Deus nesta nação tem feito em prol de nossa sociedade.
Pr André Carvalho
Igreja Evangélica manancial de Vida
ARTIGO PUBLICADO NO MONITOR CAMPISTA EM 17/08/2009