INTERESSANTE: A polêmica pregação de pastora da Igreja Bola de Neve: “Jesus levou os discípulos pra balada”


Jesus Cristo era um personagem vip. Tinha um temperamento tão agradável que na primeira vez que encontrou seus discípulos os convidou para ir à balada. Mesmo no meio de bêbados e mulheres marginalizadas, o filho de Deus mantinha seus princípios. Continuaria comportado ainda que se deparasse numa festa com a desregrada Maria Madalena, de copo na mão, dizendo: “E aí, Jesus, você vem sempre aqui? Shake your body! (mexa seu corpo!)”

Essa leitura sui generis da passagem do Filho de Deus pela Terra pode parecer uma blasfêmia para a maioria das pessoas, mas tem sido a pedra fundamental do discurso de evangelização da pastora Priscila Mastrorosa, 36 anos, da igreja Bola de Neve. É com essa linha de pregação que ela arrebanhou os mais de 1.200 fiéis que frequentam seu templo localizado na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Não por acaso, ela fala a língua deles. A grande maioria dos presentes nos cultos é de jovens com jeito de surfista, cabelo rastafári, bermudões e tatuagens. Algumas vezes, a pregação de Priscila é interrompida por gargalhadas. “A mensagem de Deus não pode ser algo chato, maçante”, justifica. Nesse estilo, a líder religiosa cativou pessoas conhecidas, entre elas ex-símbolos sexuais como Regininha Poltergeist, Marinara Costa ou Georgiana Guinle. Com mais outras três subcelebridades convertidas, está produzindo “Boladas”, um programa de debates para a tevê. Também escreveu uma comédia teatral e planeja lançar até novelas. Tudo em nome de Jesus.

Do debate, que será uma espécie de “Saia Justa” (programa feminino do canal pago GNT) evangélico, já foram gravados pilotos discutindo temas como drogas e sexo. “Essas coisas (drogas) acontecem pela falta de Jesus”, conta Regina Oliveira, que na década de 80 povoava o imaginário masculino como a sexy Regininha Poltergeist, estrela nua de várias capas de revista. “Quanto ao sexo, é preciso ter cuidado, escolher a pessoa certa, ou então vai se relacionar com meio mundo e, no final, se sentir infeliz.” A pastora adianta que a pauta de discussões do programa seguirá assim, sem limitações. “Podemos tratar de qualquer assunto, desde que seja para passar valores de família, de vida”, explica Priscila. “Aqui não discriminamos ninguém, talvez isso tenha atraído essas mulheres para a igreja Bola de Neve.” A atriz Luciana Bessa (ex-“Malhação”), que com as atrizes Roberta Foster e Giselle Policarpo completa o grupo das seis “Boladas”, confirma essa impressão. “Não ouvi broncas, apenas orientação. Antes encarava o sexo como algo casual, hoje não.” Luciana é casada com um integrante da igreja.

A própria pastora já andou por caminhos tortuosos, digamos assim. Apesar de seus pais seguirem a religião batista, também protestante, ela se afastou dos cultos na adolescência. “Aos 15 anos fui para uma praia paulista, onde surfava e fumava maconha”, diz. Seguiu os passos de seu irmão, Rinaldo, que também gastou boa parte da adolescência surfando, usando drogas e só voltou a praticar a religião após contrair hepatite. “Meu irmão contou que teve uma experiência com Jesus. Eu dizia apenas: ‘Que bom para você’”, recorda. Três anos depois, por um motivo prosaico, foi a vez de Priscila se reconverter. Uma noite estava na praia, quando uma amiga perdeu a chave do carro. Então, ela prometeu a Deus que, se encontrassem a tal chave, se tornaria pastora. “Achei o chaveiro logo em seguida. Então resolvi cumprir a promessa.” Foi estudar teologia e pouco depois iniciou a parceria com o irmão, que havia criado a Bola de Neve. É casada há dez anos com o pastor Gilson, também integrante da igreja. O casal não tem filhos.

Apesar de embalar a pregação com cores modernas e joviais, no conteúdo a Bola de Neve não difere de outras denominações evangélicas. Defende o temor a Deus sem contestação, critica ícones das religiões afro-brasileiras e as práticas da Igreja Católica. A pastora refuta a bebida e o cigarro, define o homossexualismo como um comportamento que pode ser mudado caso a pessoa encontre Deus e desaconselha o sexo casual. “O que dizemos é que a relação sexual deve acontecer depois do casamento. Mas, se rolar, que seja com camisinha ou pílula anticoncepcional”, afirma. A informalidade, no entanto, dá outro tom a essas ideias tradicionais. Quando comenta sobre o comportamento daqueles que resistem à conversão, ela mais uma vez usa a linguagem dos jovens. “Quer continuar a ser um ‘manezão’? Não quer se transformar? Você é quem sabe…”, ameaça. Tanto Priscila quanto seu marido, o pastor Gilson, sabem que essa forma descontraída de falar combina com a linguagem da tevê e dos palcos. Por isso, “Boladas” deve ter um ritmo bem mais dinâmico do que os programas evangélicos tradicionais.

O próximo passo é montar em um teatro carioca uma comédia na qual Roberta Foster, que aparecia seminua como a Eva do programa “Zorra Total”, na Rede Globo, viverá o papel de… Eva. “Mas, dessa vez, será o verdadeiro personagem bíblico”, diz a pastora Priscila. Ainda está por vir um debate esportivo e um projeto de filme. Se depender do senso midiático de sua líder religiosa, a Bola de Neve fará jus ao nome e arrebanhará cada vez mais ovelhas.

Em recente entrevista ao jornal carioca “Extra”, Regininha Poltergeist causou polêmica ao afirmar que só poderá beijar na boca com a autorização da pastora Priscila Mastrorosa. Dias depois foi revelado que devido a entrevista, Regininha tomou um “puxão de orelha” da pastora não pelo fato de ter gerado polêmica com a declaração, mas devido a matéria ter uma foto da ex modelo usando um maiô de banho em uma piscina particular.
Fonte: Isto É / Gospel+

INTERESSANTE: Igreja Católica mistura Pentencostalismo Protestante e Teologia da Prosperidade em suas missas

Uma reportagem veiculada no jornal norte-americano The Wall Street Journal denunciou o efeito da pregação da Teologia da Prosperidade aos cidadãos da cidade de Manila, capital das Filipinas, e a manipulação do chefe da igreja El Shaddai, o seguidor da corrente católica mariana, irmão Mike Velarde.

No alto das favelas e córregos fétidos em um bairro na cidade de Manila há uma cruz de néon gigante e um brilhante arco-íris, que estão tão altos que faz com que os arcos dourados do McDonald´s pareçam anões. Eles marcam a nova casa de El Shaddai, parte de um amplo movimento evangelista cristão que está varrendo a nação, que é predominantemente católica romana.

A igreja El Shaddai, nome de Deus em hebraico, tornou-se um dos maiores movimentos da nova geração de cristãos nas Filipinas. É uma igreja católica carismática, porém com traços pentecostais. Segundo sociólogos a constante pregação da Teoria da Prosperidade é uma maneira de estimular o desenvolvimento das empresas.
O fundador da igreja é uma pessoa excêntrica. Irmão Mike, 70 anos, é o mais conhecido televangelista das Filipinas. Muitas vezes usando uma gravata, sapatos brancos e vestindo uma corrente de ouro no pescoço, ele é um magnata e “brinca” no setor
imobiliário. Além disso, ele tem a reputação de não seguir a multidão e tem influência sobre os políticos e resultados das eleições durante quase três décadas.
A igreja, que é modelada imitando a Arca de Noé, tem capacidade para 35 mil pessoas. As missas de sábado são transmitidas pela rede de TV da família Velarde e pela estação de rádio. O curioso é que a igreja foi construída em um terreno pertencente à família Velarde, portanto a El Shaddai paga aluguel à Mike.
Sobre o fato de ser pregada a Teologia da Prosperidade Mike falou que os efeitos têm sido positivos. “Antes, somente os mais pobres freqüentavam as missas da El Shaddai. Agora os estacionamentos foram preenchidos com carros próprios. Não é apenas uma transformação espiritual, mas também uma transformação econômica em suas vidas”.
Durante as missas há orações em línguas e a pregação “ore e fique rico”, misturadas às práticas católicas tradicionais. Também são incorporados rituais pagãos que invocam superstições da cultura filipina sobre o poder dos objetos inanimados.
“Eles me chamam de pregador de prosperidade porque eu tenho exposto a mensagem do evangelho às pessoas como está escrito. Eu enfatizo a importância de dar, porque é dando que recebe”, diz Velarde. Ele também escreveu um
livro repleto de depoimentos de filipinos que foram inspirados por suas declarações para expandir ou abrir negócios.
Como algumas outras congregações, El Shaddai encoraja seguidores a dar o dízimo ou contribuir com 10% de sua renda. Em troca, são anotados seus pedidos de “oração” para a riqueza, saúde e boa sorte
“A Teologia da Prosperidade de El Shaddai
ensina que Deus quer que as pessoas fiéis prosperem, que luta econômica pode ser de Deus e que a riqueza pode ser recompensa de Deus aos fiéis,” diz Wiegele, antropóloga.
Enquanto El Shaddai poderia ser uma ameaça a longo prazo para a igreja católica nas Filipinas, o movimento abriga sob a égide do Vaticano, incluindo a realização de reuniões de oração nas instalações da igreja católica em todo o país. É uma situação que a Igreja Católica aceita a contragosto, pois é uma forma de reduzir o número de católicos que se voltam aos movimentos protestantes.
De acordo com números oficiais do censo filipino, enquanto a proporção de filipinos que se consideram cristãos manteve-se estável em cerca de 92% ao longo do século passado, aqueles que se identificam como católicos diminuiu cerca de 10%. Entre 1960 e 2000, quando o censo mais recente ocorreu, o percentual de filipinos que se identificam como membros da igreja protestante mais do que duplicou para cerca de 10%.
Na década de 1980, “a igreja católica observou que a única maneira de impedir o êxodo para as igrejas pentecostais era dizer que as pessoas da Igreja Católica que freqüentavam movimentos protestantes estavam fora da igreja. Foi isso que eu fiz”, diz Velarde. “El Shaddai desacelerou o êxodo de católicos para o movimento nascido de novo”.
Ainda assim, algumas autoridades católicas continuam cautelosas e críticas em relação à teologia de Mike Velarde. Eles afirmam que Velarde está contaminado alguns negócios. O arcebispo emérito Oscar Cruz condena a El Shaddai, dizendo que “usa o nome católico, mas é tudo menos católico”. Ele descreve as missas como um ponto de partida, depois “ele surge com seu terno engraçado, performace circense e seu evangelho da prosperidade”.
Sobre o fato da El Shaddai ser de denominação católica, Velarde diz que “sempre sou guiado pela hierarquia da Igreja Católica”. Na prática, isso significa que ele abraça a doutrina católica sobre questões como a contracepção, aborto e o divórcio, mas é Velarde que controla totalmente a El Shaddai.
Interrogado sobre a censura crescente de filmes filipinos Velarde é firme. “Há alguns filmes que são contra nossa cultura e nossas crenças religiosas. Eles realmente devem ser censurados”.
Como Velarde tende seu rebanho no santuário ele abriga uma grandiosa ambição política. Para ele, “a Presidência das Filipinas é um sonho de infância. Mas um sonho é diferente de uma chamado”, disse.
Traduzido pelo
Gospel+ do Wall Street Jornal